Impacto Ambiental

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art.1 – A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos;

Art.2 – A água á a selva do nosso planeta. Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado no Art. 3 da Declaração Universal dos Direitos do Homem;

Art.3 – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia;

Art.4 – O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam;

Art.5 – A água não é somente uma herança dos nosso predecessores; ela é sobretudo um empréstimo aos nossos sucessores, Sua proteção constitui um necessidade vital, assim como um obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras;

Art.6 – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;

Art.7 – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis;

Art.8 – A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo Homem nem pelo Estado;

Art.9 – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica,sanitária e social;

Art.10 – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

(Histoíre de l’eau, Georges Ifrah, Paris, 1992).

Algumas medidas são necessárias para reduzir o impacto da piscicultura em tanques-rede, mesmo em águas pobres (oligotróficas):

  1. uso de peixes de boa linhagem
  2. se forem tilápias, devem apresentar o máximo de reversão
  3. biometrias periódicas
  4. padronização e recontagem periódica
  5. uso de tabela regressiva de arraçoamento, (%)
  6. correção da quantidade conforme a temperatura da água
  7. uso de ração especializada de alta conversibilidade

Na prática, a emissão de dejetos fertiliza a água, desencadeando um processo biológico que deve culminar com o desenvolvimento de peixes e outros organismos nativos de interesse comercial. O que se espera dos órgãos ambientais, ao invés de um combate muitas vezes injustificado à atividade, é que cuidem das espécies nativas para que compareçam às áreas fertilizadas, e ali proliferem e se desenvolvam, trazendo sustento aos pescadores artesanais que ainda sobrevivem.
O Brasil possui 12% da água doce do planeta. No entanto, sua produção aqüícola não passa de 210 mil toneladas por ano (0,44%). A produção mundial é de 48 milhões de toneladas, juntando peixes, camarões, moluscos, algas e outros.
Com a recente decisão do governo de liberar até 1% de águas públicas para aqüicultura, apenas 5 áreas já apresentam potencial para atingir 1/3 da produção mundial, cerca de 16 milhões de toneladas. Como se vê, podemos nos tornar o 2º maior produtor do mundo em pouco tempo. A China produz 34 milhões de toneladas. A Índia, 2.200 mil toneladas, é o 2º colocado atual.

Nos envie um email, será um prazer atender você!

This contact form is deactivated because you refused to accept Google reCaptcha service which is necessary to validate any messages sent by the form.